Falta de letramento digital na educação dos brasileiros, afirma especialista

Pesquisas dos canais The Economist e Facebook revelou que o Brasil ocupa a 36ª posição no ranking global de inclusão digital. Brasil ocupa a 36ª posição no ranking global de inclusão digital. O especialista em educação e tecnologia, Alfredo Freitas, que tem mais de 15 anos de experiência, comenta cenário.

A alfabetização digital é a habilidade de usar tecnologias para encontrar e transmitir informação. É ter as competências cognitivas e técnicas para navegar no ambiente digital de forma segura e ágil, sabendo analisar e criar conteúdo encontrado neste espaço. É o que afirma o especialista internacional em educação e internet Alfredo Freitas.

Em 2021, pesquisa avaliou o acesso de países à internet considerando disponibilidade, preços, relevância e capacidade de uso das pessoas, que mede o nível de educação e preparação para usar a Internet. O Brasil está muito atrasado neste quesito. E, com relação a aceitação cultural e políticas de apoio digital, o país ocupa a 69ª posição.

“Os prejuízos desse cenário são diversos. Hoje, estamos vivenciando uma reconfiguração social a partir das mudanças que a evolução da tecnologia traz cada vez mais para o nosso cotidiano. Por fatores sociais, econômicos e políticos, em alguns países, ele ocorre de forma mais lenta, em outras mais rápido. Cedo ou tarde, é um processo que o mundo todo sofrerá, passando por interferências irreversíveis na organização de suas relações”, afirma o especialista.

De acordo com Freitas no futuro que já chegou ganhará os países que investirem mais no letramento digital de suas populações. Para ele, o principal setor que já ganha notoriedade e investimentos para ampliar o domínio das ferramentas digitais é a educação.

“Em relação ao processo de inclusão digital, a educação apresenta grande responsabilidade. Há a necessidade de uma reformulação ampla do cenário educacional brasileiro. Isso implica repensar a formação dos profissionais, a conectividade das escolas, entre tantos outros fatores relevantes”, afirma o especialista.

*Alfredo Freitas é pós-graduado em ‘Project Management’ pela Sheridan College no Canadá, graduado em Engenharia de Controle e Automação e Mestre em Ciências, Automação e Sistemas, pela Universidade de Brasília. O renomado profissional tem mais de 15 anos de experiência em Tecnologia e Educação. É atualmente Diretor de Educação e Tecnologia da Ambra University. A Universidade americana é credenciada e tem cursos reconhecidos pelo Florida Department of Education (Departamento de Educação da Flórida) sob o registro CIE-4001. Além disso, a universidade conta com histórico de revalidação de diplomas no Brasil.

Compartilhar No: