Dia do Jovem é comemorado com maior adesão ao estudo e trabalho online; especialista comenta

Nesta quarta-feira, 17, se comemora o Dia do Jovem no Brasil. Números recentes mostram que a juventude brasileira está estudando e trabalhando mais online que presencialmente. A pandemia alterou de vez a relação das pessoas na faixa etária entre 15 e 25 anos com o ambiente virtual. O especialista em educação e internet, Alfredo Freitas, que também é diretor da Universidade Americana Ambra University acredita que há um novo perfil para os jovens brasileiros.

Dados do último Censo do Inep, no Brasil, mostram que há mais de 9.374.647 estudantes matriculados em modalidade de estudo virtual no país. “A maneira como as pessoas estudam está mudando rapidamente. Há mais leitores em ambiente digital com tablets e celulares, que leitores de livros físicos impressos”.

Freitas pondera ainda o aumento nas matrículas em universidades online. “Registramos o maior número de matrículas na modalidade virtual do que nunca. As pessoas estão identificando os benefícios de estudar online e observando que é possível encontrar formação de qualidade mesmo que remotamente. A internet já rompeu com todas as fronteiras para a educação”, afirma o especialista.

Alfredo Freitas especialista em educação e tecnologia, diretor da universidade Ambra University (Onevox Brasil)

E — Estudantes

Os estudantes já estão mais conectados que nunca. Essa nova realidade citada pelo especialista Alfredo Freitas, se confirma com as matrículas de cursos à distância que aumentaram em 16,9%, segundo dados do Censo de Educação Superior no Brasil. O número de novos alunos em cursos superiores a distância aumentou 4,7 vezes, um crescimento de 378,9%.

Outras pesquisas recentes divulgadas nos Estados Unidos mostram que 68% dos alunos de cursos online são profissionais experientes. “Este dado é relevante para compreendermos que quanto maior o nível de carreira profissional maior a adaptação para estudar online. É sem dúvida uma mudança de paradigma na hora de estudar. Também é preciso citar a eliminação de fronteiras, ou seja, no ambiente virtual há possibilidade de estudar em qualquer lugar”, afirma Alfredo Freitas.

Freitas considera que embora haja um aumento significativo de estudantes em idade universitária que escolhem a educação online, a maioria dos estudantes online já são profissionais de carreira. Nos EUA, o perfil do aluno online é de 32 anos de idade, o que mostra que já é um profissional que transita entre as carreiras.

Segundo Relatório Analítico da Aprendizagem a Distância no Brasil, o perfil dos alunos de ensino remoto mostra que 53% dos estudantes são mulheres. Quase metade dos alunos matriculados em cursos EAD, 49,78% têm entre 31‑40 anos e são alunos que em sua maioria trabalham. Nos EUA, o perfil atual de estudantes EAD já consolida o perfil de ‘trocador de carreiras profissionais’ — o profissional que opta por seguir uma formação online distinta para adquirir e ampliar o escopo de trabalho.

*Alfredo Freitas é pós-graduado em ‘Project Management’ pela Sheridan College no Canadá, graduado em Engenharia de Controle e Automação e Mestre em Ciências, Automação e Sistemas, pela Universidade de Brasília. O renomado profissional tem mais de 15 anos de experiência em Tecnologia e Educação. É atualmente Diretor de Educação e Tecnologia da Ambra University. A Universidade americana é credenciada e tem cursos reconhecidos pelo Florida Department of Education (Departamento de Educação da Flórida) sob o registro CIE-4001. Além disso, a universidade conta com histórico de revalidação de diplomas no Brasil

Compartilhar No: