Tatuadores brasileiros viram referência no exterior e detectam aumento da procura

A polêmica tatuagem da cantora Anitta gerou um ‘boom’ da procura por tatuadores brasileiros nos Estados Unidos. De acordo com uma pesquisa divulgada pela IBIS World, a indústria global de tatuagem cresceu 23.2% em 2021. No Brasil, profissionais detectaram aumento da procura por pessoas do exterior.

Dados de pesquisa recente do Instituto Alemão Dalia, o Brasil ocupa a 9ª posição entre as nações onde mais as pessoas se tatuam, atrás de países como a Itália, com 48% da população, Suécia com 47% e os Estados Unidos com 46% de pessoas tatuadas. De acordo com o Sebrae, o mercado de tatuagens cresce 25% ao ano no Brasil, com mais de 150 mil estúdios em todo país.

A qualidade técnica dos tatuadores brasileiros está chamando atenção internacional. É o que confirma o renomado tatuador Danillo Lima, que tem mais de 15 anos de experiência e é uma das referências nacionais na tatuagem no Brasil. Ele comanda um dos maiores estúdios de tatuagem no país e detectou aumento da procura por pessoas estrangeiras.

“Aumentou o número de solicitações de pessoas estrangeiras pelo nosso serviço no Brasil. Nas interações a maior razão apontada para a procura por um estúdio brasileiro está a técnica e a qualidade da tatuagem”, afirma o tatuador sergipano que comanda um time de outros profissionais que atua em seu estúdio.

Nos Estados Unidos, país que figura na terceira posição no ranking dos mais tatuados, o setor movimenta cerca de $1,4 bilhões de dólares por ano. No Brasil, nono colocado entre as nações mais tatuadas, o setor superou o resultado global, com um crescimento anual de 25%, segundo o Sebrae.

Uma pesquisa recente da Ipsos revela que três em cada dez (30%) norte-americanos têm pelo menos uma tatuagem, sendo quatro a quantidade média de tattoos por pessoa. 40% dos tatuados têm entre 18 e 34 anos e 36% das pessoas com idades entre 35 e 54 têm pelo menos uma tatuagem, enquanto o mesmo é verdade para apenas 16% das pessoas com 55 anos ou mais.

Micropigmentação Paramedica

Outro fator que pode estar aumentando a procura de estrangeiros por tatuadores brasileiros é a entrada destes profissionais no segmento de micropigmentação paramédica. Este tratamento tem sido bastante procurado por mulheres que buscam reconstituir as auréolas da mama após tratamento de câncer. Danillo Lima, que atua voluntariamente com este tratamento a mulheres há mais de 10 anos, comenta que essa técnica tem elevado o potencial dos tatuadores brasileiros.

“Trata-se de um procedimento similar a uma tatuagem, que procura se aproximar ao máximo da cor da pele, e que redesenha aréolas e mamilos com uma tinta especial de propriedades semipermanentes. Diferentemente da tatuagem, a tinta só é aplicada na camada mais superficial da pele, por isso não é definitiva e a técnica é rápida e indolor. É uma oportunidade para resgatar a autoestima de muitas mulheres”, explica o tatuador que atende gratuitamente em média 60 mulheres por mês em seu estúdio.

A micro pigmentação paramédica também é uma técnica utilizada por alguns profissionais especializados para a camuflagem de cicatrizes acidentais, pós cirúrgicas ou patológicas. Através dessa técnica é capaz de se reconstruir parcialmente ou totalmente a área afetada pela cicatriz. Este tipo de tatuagem é considerado um procedimento estético.

“Esse procedimento é muito semelhante ao de se fazer uma tatuagem. Com o uso de agulhas e diversos pigmentos, o tatuador consegue introduzir tinta na derme do paciente. É possível ainda simular texturas e sombras, criando efeitos de volume e profundidade, fazendo com que o procedimento deixe o paciente com a parte do corpo o mais real possível antes de se sofrer o acidente”, explica Danillo Lima.

*Danillo Lima conhecido como Danillo Ink, é tatuador com mais de 15 anos de experiência. Possui diversos cursos no Brasil e no exterior e lidera o ranking de profissionais de alto padrão no Brasil.

Compartilhar No: